29 dezembro 2009

o que é que eu quero no novo ano?

27 dezembro 2009

Strange what desire will make foolish people do

22 dezembro 2009

Não ligo muito ao Natal mas de qualquer foram....


Feliz Natal!

19 dezembro 2009

Tenho escrito muita coisa. Melhor. Tenho preenchido muitas páginas do meu caderno ,que antes estavam em branco, com palavras, histórias e sentimentos deslocados. Uma mistura de tudo o que me ia na cabeça e que não queria contar. Desde os pensamentos mais maquiavélicos onde elaboro mil nove e não sei quantas formas diferentes de conquistar o mundo até as histórias de encantar com castelos, principes e princesas. Mas no meio desta fantasia toda - sim a maior parte destes pensamentos não são mais do que ilusões do meu pensamento -, destas interferências na realidade, sou sugado para a terra; felizmente. E recupero o meu discernimento. Queria publicar algo agora, lembrei-me do que tinha escrito e fui ler. E no final percebi, que nada daquilo era verdade. Apenas uma imagem do meu cérebro dormente. Nunca num estado de pleno uso das minhas capacidades - apesar de elas não serem muitas - publicaria tais rascunhos. E o mais engraçado ainda é o pouco sentido que eles fazem agora. Mesmo não tendo passado assim tanto tempo e de não ter acontecido mais nada de significante. E com isto não escrevi nada de jeito. Talvez, mas pelo menos cheguei a uma conclusão: nada como umas boas noites de sono para nos devolverem de volta à estrada, à realidade... Para nos transmitirem uma outra perspectiva da coisas, mais objectiva e fidedigna. Sim, porque quer queiramos quer não, é aqui que nós pertencemos. Os castelos e conquistas ficam para os filmes, para os livros, para os actores... e não para nós.

17 dezembro 2009

Somos feitos detalhes... apenas detalhes.

14 dezembro 2009

Are you lost or incomplete?
Do you feel like a puzzle?
You can't find your missing piece
Tell me how do you feel?
Well I feel like they're talking in a language I don't speak
And they're talking it to me

13 dezembro 2009

09 dezembro 2009

não é o final do mundo. é apenas um novo estágio na tua vida com a qual vais ter de aprender a viver ou não. é uma escolha que te cabe a ti e apenas a ti, mas senão for agora, mais tarde ou mais cedo vais ter que passar novamente por ela. e tenho a certeza de que nessa altura será bem mais díficil de a enfrentar. porquê? a solidão é um sentimento que se agrava com os anos. por outro lado, podes escolher o caminho mais fácil, pelo menos no curto prazo... mas a verdade é que no longo apenas terás mais do mesmo, mais sofrimento, mais drama. e nada disto é saudável. não se pode dizer que seja de rápida e fácil aprendizagem. mentia se o dissesse. talvez não percebas hoje a dimensão e profundidade das minhas palavras, talvez até nem percebas que é para ti que estou a escrever. mas espero que um dia olhes para trás e que uma comichão na tua cabeça te remeta para estas linhas. e que aí sim finalmente percebas o porquê de o ter feito, não preciso que concordes comigo, quero apenas que percebas o porquê e de como desapontado me deixas-te com a reacção que tiveste.
Toy-like people make me boy-like
They're invisible, when the trip it flips

06 dezembro 2009

I'm so close, I'm just a small step behind you girl