31 agosto 2009

30 agosto 2009

Doug Carlin: What if you had to tell someone the most important thing in the world, but you knew they'd never believe you?

Claire Kuchever: I'd try.


,in Deja Vu

26 agosto 2009



Vale a pena ver até ao fim.
(16-08-2009)

Silêncio.


Estou sentado na varanda de casa. Sozinho e sem vizinhos à espreita, coisa rara. Hoje não há lua. O vento, esse, faz dançar as tílias aqui à porta a seu gosto, nesta noite. Escura. Iluminada apenas pelos candeeiros na rua e por meia dúzia de luzes - brancas, amarelas, vermelhas - que no horizonte dão cor às serras vestidas de luto. Saltam à vista as últimas.
Eólicas que lá no alto das serras dançam ao sabor do vento um bailado cego. Não lhes interessa que assim seja. Foi já tantas vezes ensaiado que pode ser feito de olhos fechados. Às escuras. Sem medo de serem pisadas. De falhar. De errar os passos.
Mas não parece ser uma dança alegre. Consigo ouvir os seus murmúrios. Como se fossem lamentos por não conseguirem dali sair. Por estarem condenadas a ali passarem os seus dias e noites, isoladas, sozinhas, em constante vigília. Raramente alguém se lembra que elas ali estão, a não ser quando em noites de maior agitação os seus braços conseguem rasgar o silêncio da noite e ecoar nos nossos ouvidos quando estamos já deitados. Ou até quem sabe quando precisam de uma companhia numa noite escura. Sem lua.


11 badaladas fazem-se agora ouvir vindas da torre.


Silêncio.

Bis.

25 agosto 2009

(16-08-2009)

3 da manhã.

O quarto minguante da Lua ilumina os campos no regresso a casa. Apesar disso, pouco se vê para além do que os faróis do carro conseguem iluminar de uma estrada cheia de curvas que rasga os eucaliptos. 20 graus e um cheiro a terra molhada que nos inunda os sentidos. Ao fundo a Serra cheia de luzes fecha o horizonte.
Lembro-me que te fiz uma descrição parecida no ano passado, desta mesma estrada.
A festa acabou. É tempo de regressar a casa e descansar.
Tenho uma catrefada de coisas que escrevi na última semana para postar aqui.
Com calma, senão fico sem nada para dizer.

16 agosto 2009

Cause at the end of the day it's all about her
,in Californication




Bom dia.

15 agosto 2009

Ainda não consegui perceber se os meus dias têm sido meio cheios ou meio vazios.
Castelo Branco.
Pela primeira vez em muito tempo consegui fazer a Calçada de Carriche toda sem parar, isto é, só apanhei sinais verdes...

Ok, o último já estava amarelo.

13 agosto 2009

Deus é dono de um humor requintado.

Fez-me ver o anoitecer sozinho e o amanhecer contigo.

12 agosto 2009

Há algum tempo que andava a pensar em começar do zero e criar um novo blogue. O antigo já não me entusiasmava como no início. Talvez porque o propósito com que foi criado não era o mesmo para o qual era actualmente utilizado. Mas no final era irremediavelmente ali que acabavam as minhas palavras.

Até hoje.

Tenho passado o Verão a tentar encontrar algo interessante para ler e foi preciso fazer esta viagem por terras algarvias para o encontrar, a meio das compras das férias num comum hipermercado.

Capa. Simples.
Autor. Apesar de ser portista, gostei do "Equador" - do livro, mais do que da série de TV.
Título. A primeira coisa em que reparei e me despertou logo o interesse ou não estivesse eu próprio numa viagem. Num deserto.

3 horas depois o livro estava digerido - não é muito grande é verdade, 125 páginas. Mas são suficientes para ter daquelas frases que nos ficam a ecoar na cabeça durante algum tempo, momentos nos quais nos revemos, histórias que podiam ser as nossas. Uma viagem e um deserto que podiam ter sido os nossos.

Agora de regresso a casa - e já com algumas saudades destes últimos dias - lembrei-me de utilizar este nome para o começo de uma nova etapa de uma outra viagem, de uma outra aventura...

Recomendo:























PS: agora que reli o post todo reparei que já não postava um texto tão largo há algum tempo.